Relatório da Sportradar Ajuda FPF a Apurar Caso Suspeito no Paulista A3

This post is also available in: English (Inglês)

Algumas movimentações em casas de apostas se tornaram suspeitas na avaliação da Sportradar na derrota do Barretos para o Linense por 4 a 0, Campeonato Paulista A3, em 18 de setembro. A empresa, parceira da Federação Paulista de Futebol (FPF), tem a responsabilidade de acompanhar tudo o que acontece ao longo das partidas estaduais.

A goleada ocorreu com dois gols de pênaltis e um contra, marcado nos acréscimos. Conforme o relatório da Sportradar, a goleada já era aguardada pelos apostadores. Assim, o relatório produzido pela Sportradar embasou a punição preventiva imposta pela Federação ao Barretos e cinco jogadores por suspeitas de manipulação de resultado.

O relatório, também encaminhado para a Delegacia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva (Drade), apontou que um grande fluxo de apostas em uma goleada chegou após o apito inicial, o que contrariava as probabilidade iniciais.

“Os padrões de aposta contrastavam com as expectativas lógicas e não havia nenhuma explicação legítima para os mesmos com base nos eventos que aconteciam no campo de jogo”, consta no documento da Sportradar. “Desta forma, só é possível concluir que os apostadores tinham conhecimento prévio de que o Barretos perderia por, pelo menos, quatro gols.”

Detalhes do relatório da Sportradar

De acordo com os movimentos de um site malaio, a Sportradar avaliou que a quantidade de apostas para o tropeço do Barretos por dois ou três tentos aumentou nos primeiros minutos do jogo, sem explicação. “Nenhum chute foi registrado durante os primeiros cinco minutos da partida para justificar tal comportamento de aposta”, diz o relatório.

O primeiro gol foi marcado aos 22 do primeiro tempo. O segundo gol ocorreu dez minutos depois, enquanto o terceiro apenas no segundo tempo. “Aos 87 minutos (3 x 0), a marcação do Barretos ficou passiva e sofreu um gol que foi anulado por impedimento. De fato, os defensores do Barretos mostraram-se passivos e desordenados, perdendo a posse de bola perto de sua área em várias ocasiões no final do jogo”, diz o documento.

O lance que gerou o último gol também chamou a atenção da Sportradar. “Perto do final, o goleiro Pedro deu passe curto [dentro da pequena área] para o companheiro Roberth, que perdeu a bola e quase sofreu o quarto gol, mas a bola saiu para escanteio. O escanteio foi cabeceado contra sua própria meta pelo mesmo jogador, Roberth, que fez o gol contra segundos antes do apito final.”

A empresa indicou ainda que vários sites finalizaram as apostas antes do encerramento do jogo. Segundo o relatório, essa ação tende a indicar que alguma coisa suspeita pode ter sido notada pelos responsáveis das casas de apostas no jogo.

Afastamentos preventivos

Com base no relatório da Sportradar, o TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva) determinou a suspensão do goleiro Pedro, dos atacantes Fabrício e Derik (ambos cometeram pênalti) e dos defensores Roberth (autor do gol contra) e Edson Rocha.

Rocha não tem participação direta nos lances, só que se tornou suspeito por ter atuado em dois jogos em 2017 pela União Barbarense sob suspeitas de manipulação. A Polícia Civil também apura se ocorreu infração ao Estatuto do Torcedor, bem como crimes de estelionato e associação criminosa.

O triunfo do Olimpia em cima do Paulista por 3 a 2, também está sendo analisado. Por isso, Barretos, Olímpia e Paulista foram preventivamente afastados no dia 8 e não poderão adicionar atletas em novas competições até que toda a situação seja julgada pelo TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo). Ainda não há data isso acontecer.

Desdobramentos do caso

O presidente do Barretos, Julio Eduardo Addad, se queixa da postura da FPF e do TJD-SP na condução do caso. “O jogo foi às 17h. Nós tivemos problema de vazamento de gás no alojamento e não foi possível dar almoço ao elenco na hora. Tivemos de encomendar marmitex e eles só almoçaram às 14h30. É muito em cima da hora”, declarou.

Addad ainda reclamou dos dois pênaltis marcados contra a sua equipe. “No quarto gol, o nosso jogador não cabeceou para o gol. A bola bateu no rosto dele. Ele me disse que se atrapalhou com a iluminação, e não é a primeira reclamação que temos quanto a isso. Mas [a FPF e TJD] só selecionaram alguns lances. Nosso goleiro, por exemplo, foi o melhor em campo. Fechou o gol”, completou.

Já o Presidente do TJD-SP, Antonio Olim declarou que está somente seguindo um procedimento protocolar. “Ele [Addad] pode acreditar no que quiser. É uma investigação criminal agora. É com a polícia. Se não acharem nada, morreu o assunto. Ele pode reclamar o quanto quiser. [O pedido de inquérito] Veio para mim, eu confirmei. Não vou julgar ninguém”.

Sobre a Sportradar

A Sportradar é uma empresa multinacional com sede em St. Gallen, na Suíça, que coleta e analisa dados esportivos. Hoje em dia, a Sportradar fornece serviços para casas de apostas, federações esportivas nacionais e internacionais e empresas de mídia em mais de 80 países.

A empresa possui prestigio internacional e também conta com parceiros no Brasil, país que ainda não possui uma regulamentação adequada para o setor de apostas esportivas.

E a falta de leis específicas tende a facilitar a ocorrência de casos suspeitos no cenário esportivo. Sendo assim, a intervenção da Sportradar é de vital importância para a manutenção da integridade esportiva em qualquer divisão e/ou modalidade.

This post is also available in: English (Inglês)