Gambling Commission Exige Doações de Operadores Para Evitar Vícios

A Gambling Commission (GC ou Comissão de Jogos de Azar em português) divulgou uma lista de organizações de apostas que devem fazer uma contribuição financeira anual para a prevenção de problemas de jogo.

Os operadores são obrigados a contribuir com pelo menos uma das três instituições beneficentes de jogos de azar; GambleAware, GamCare ou Young Gamers & Gamblers Education Trust.

O requisito entrou em prática no dia 1º de janeiro, para garantir que os operadores estejam em conformidade com suas condições de licenciamento, com contribuições a serem feitas para pesquisa, prevenção e tratamento (RET) de jogos com problemas.

Os operadores também garantirão que não tenham conexão com a organização designada e o GC não especificou o valor que pode ser doado. “As empresas podem continuar doando fundos para qualquer organização fora da lista aprovada e a única mudança é que essas contribuições não serão contabilizadas como contribuições do LCCP RET”, diz o comunicado oficial da Gambling Commission.

No verão passado, William Hill, GVC Holdings, Flutter Entertainment, Stars Group e Bet365 concordaram em aumentar sua contribuição voluntária para jogos mais seguros de 0,1% para 1% do rendimento bruto de jogos, dentro de cinco anos.

“As organizações que desejam estar na lista de organizações para as quais as empresas de jogos de azar podem direcionar suas contribuições para o RET devem fornecer informações à Comissão para nos ajudar a avaliar sua adequação”, consta na nota oficial do GC.

Saiba mais sobre a Gambling Commission

A Gambling Commission é um órgão público do governo do Reino Unido responsável pela regulamentação e supervisão da lei de jogos de azar na Grã-Bretanha. Sua missão abrange arcades, apostas, bingo, cassinos, caça-níqueis e loteria, além de jogos remotos. Em 2013, assumiu a responsabilidade pela regulamentação da Loteria Nacional.

Os objetivos da Comissão são manter o crime fora do jogo e proteger os vulneráveis. Emitir licenças para as operadoras e aconselhar o governo sobre questões relacionadas a jogos de azar. Também colaborar com a polícia sobre suspeitas de jogos ilegais.