BGC sugere adiar Grand National visando apoiar reabertura de casas de apostas

O Betting and Gaming Council (BGC) acredita que seria um “grande impulso” para as indústrias de corrida e apostas se o Grand National fosse adiado até a reabertura das casas de apostas.

O evento tradicionalíssimo no calendário de corridas de cavalos do Reino Unido está programado para acontecer em 10 de abril, um sábado, no Hipódromo de Aintree, dois dias antes que as casas de apostas tenham autorização para retomar as suas atividades na Inglaterra.

No início desta semana, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, apresentou um plano de quatro etapas para flexibilizar as restrições de bloqueio devido ao coronavírus na Inglaterra. O que permitiria a reabertura do comércio de varejo não essencial, como lojas de apostas, em 12 de abril, caso as condições estejam de acordo.

BGC defende mudança da data da disputa para beneficiar retomada das casas de apostas

O órgão da indústria de apostas e jogo, o BGC, solicitou que o Grand National fosse postergado, para que os setores de corrida de cavalos e apostas esportivas possam tirar proveito dos benefícios de uma corrida que resulta em £ 125 milhões jogados anualmente, com quase metade dos palpites realizados em lojas de apostas de rua.

A entidade também salientou que, além de ser o dia mais movimentado do ano para as casas de apostas, ter a corrida alinhada com os clientes voltando às lojas “daria um grande impulso ao moral do país”.

O CEO da Betting and Gaming Council, Michael Dugher, comentou: “adiar o Grand National até que as casas de apostas estejam abertas é definitivamente uma ideia que vale a pena considerar”.

De acordo com Dugher, “garantir que os apostadores uma vez por ano possam visitar seus pontos favoritos para se divertir com a corrida de cavalos mais famosa do mundo, também ajudaria a tornar o Grand National uma celebração verdadeiramente nacional, pois nós começaríamos a reabrir a economia”.

O CEO da BGC ainda citou que: “isso também ofereceria um impulso oportuno para o setor de corridas e para as lojas de apostas depois de um ano tão complicado”.