John Cobb: “Para a indústria de apostas, foi um teste” sobre pausa nas corridas de cavalo no Reino Unido

Gripe equina atrapalha a preparação para um dos eventos hípicos mais importantes do Reino Unido.

Publicado em
 
PA Sport

A corrida de cavalos no Reino Unido está finalmente de volta após a pausa de seis dias, que mexe com o esporte e, claro, com as indústrias de apostas.

Depois de três testes positivos de Donald McCain (para gripe equina), a British Horseracing Authority (BHA) decidiu suspender todas as corridas dentro do Reino Unido para evitar qualquer possibilidade do vírus se espalhar, enquanto investigava a situação mais próxima.

John Cobb, editor associado do Racing Post, admite que a indústria de jogos de azar teve dificuldades na Grã-Bretanha nos últimos seis dias.

Em entrevista para o Gambling Insider: “Para a indústria de apostas, foi um teste de sua capacidade de fornecer corridas suficientes de todo o mundo para preencher a lacuna deixada pelo produto doméstico, já que a corrida britânica, com seu fluxo de ação ao vivo, ainda é parte essencial de apostas de varejo e apostas online”.

“Com o Festival Cheltenham (um dos eventos hípicos mais importantes do Reino Unido) há apenas um mês de distância (12 a 15 de março), tem havido uma certa quantidade de unhas roídas de treinadores e jóqueis, e, claro, uma perda de renda crucial.”

“Para os reguladores da indústria de corridas de cavalos, esta tem sido uma semana cheia, tomando decisões cruciais que equilibram a necessidade de conter o surto de gripe com a tentativa de restaurar o programa de corrida o mais rápido possível.”

Mas esta não é a primeira vez que a indústria enfrenta problemas, já que em 2001 o surto de febre aftosa causou grande agitação (na época foram constatados 51 focos no Reino Unido).

Eddie Keogh/Reuters

Sobre o caso, Cobb lembrou: “A febre aftosa teve conseqüências muito mais sérias para qualquer um associado com a indústria pecuária, enquanto as indústrias de corridas e apostas sempre enfrentaram a ruptura do clima, mais recentemente”.

“É muito mais fácil lidar com esses dias, graças às corridas em todas as condições meteorológicas e ao fornecimento de corridas de todo o mundo”.

Não há dúvida de que a situação da gripe equina causou perda à indústria, mas o que é diferente agora do surto de febre aftosa em 2001 é o avanço da tecnologia e a capacidade de alimentar corridas de cavalos de todo o mundo para os apostadores domésticos.

Cobb também informou ao Gambling Insider que o jornal britânico de corrida de cavalos, corridas de galgos e apostas esportivas, “Racing Post” poderia usar as plataformas digitais para manter os clientes atualizados com as informações mais recentes.

Isso envolvia não apenas reportar de perto o assunto, mas também colocar suas corridas internacionais no palco para preencher o vazio.

Ele explicou: “Nossa prioridade era fornecer aos nossos leitores o máximo de informações possível sobre a história da gripe, e fomos recompensados ​​com um aumento no tráfego para a página de notícias do nosso website e para o aplicativo para dispositivos móveis.”