CBTH-Veicula-Nota-de-Esclarecimento-após-Ato-de-Machismo-em-Podcast-do-4bet-Poker-Team

Neste fim de semana, em uma edição do podcast do 4bet Poker Team, um dos principais times de poker do país, os participantes falaram por horas sobre diversos temas, extrapolando o jogo em si. Em dado momento, compararam a competência de homens e mulheres em “atividades humanas” e revoltaram a comunidade do poker.

Participaram do episódio: Marcos Sketch, Júlio Lins e Thiago Crema do 4bet, além dos convidados José Heraldo Vaughan, o “Rádio”, e Beto Burgess, do podcast “O Dono da Verdade”. A partir da marca dos 75 minutos, o assunto em pauta passou a ser mulheres no poker.

Foi nesse momento que diversos trechos chocaram as mulheres que fazem parte do poker. Em certo ponto, Beto chega a afirmar: “Não tem nenhuma atividade humana em que a mulher é melhor que o homem”. Lins chega a dizer “Modelo”, tirando risadas dos outros membros do podcast.

Beto ainda diz que os homens estão nos extremos, tendo mais gênios e também mais “burros”, enquanto as mulheres ficariam na média. Mais para frente, outro infeliz questionamento, objetificando aquelas que fazem parte do meio: “As gostosas que jogam poker são gostosas mesmo ou são gostosas diante de um cenário em que tem pouca…”, aos que os participantes respondem “os dois”.

Não demorou para que dezenas de mulheres se revoltassem nas redes sociais. Organizadas através da Liga Paulista de Feminina de Poker, publicaram uma nota de repúdio, compartilhada centenas de vezes. “Dizer que a genética da mulher a faz menos capaz do que o homem para determinadas atividades, inclusive para o poker, é de uma ignorância profunda e desconhecimento da causa nos dias atuais”.

Além da Organização, a CBTH (Confederação Brasileira de Texas Hold’em) também veiculou uma nota de esclarecimento. Leia a nota na íntegra:

Nota Oficial da CBTH

A Confederação Brasileira de Texas Hold’em (CBTH) não compactua, sob hipótese alguma, com atitudes preconceituosas contra qualquer ser humano, seja ele qual for.

Seguimos lutando pela diversidade nas mesas de poker e pelo respeito, independente do gênero, orientação sexual, classe social, raça e credo. Afinal, para nós, todos somos iguais.

Nos últimos anos, as mulheres mostraram para toda a sociedade, com muita coragem, trabalho e empenho, que o lugar delas é onde elas quiserem, principalmente no poker.

Desde a criação da nossa entidade, a CBTH trabalha todos os dias para o crescimento do esporte e a luta contra o preconceito, inclusive sofremos muito com atitudes preconceituosas contra nossa categoria ao longo da nossa história, portanto nos solidarizaremos sempre com quem quer que seja que sofra efeitos desse comportamento extemporâneo, anacrônico e indevido.

Os resultados do nosso trabalho transformaram a modalidade em uma das que mais crescem no Brasil, aumentando gradativamente o número de praticantes, torneios, empregos e a relevância da nossa atividade como um todo. E fizemos isso de forma democrática, dando espaço a todos.

A CBTH repudia, portanto, qualquer ato de preconceito e discriminação; e lamenta o triste episódio ocorrido no último fim de semana envolvendo o conteúdo divulgado no podcast do 4Bet Poker Team.