Portugueses gastaram € 648 mil em apostas online por hora em um ano de pandemia

Mesmo em um ano impactado pela pandemia do novo coronavírus, o mercado de apostas online aumentou rapidamente em Portugal. A quantidade de apostas realizadas pelos portugueses nas empresas legalizadas superou a marca de 5,6 bilhões de euros, de acordo com Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ).

Essa quantia corresponde a um crescimento de quase 65% em comparação com os valores registrados em 2019 (3,4 bilhões de euros) e equivale a uma média de 15 milhões de euros gastos em apostas todos os dias, 648 mil euros por hora ou ainda 10.800 euros por minuto.

O maior crescimento ocorreu nos jogos de fortuna online, que capitalizaram em cima do fechamento temporário dos cassinos terrestres e das salas de jogo, com um montante de apostas de 4,8 bilhões de euros, um salto de 67,9%.

Além disso, as apostas esportivas contabilizaram 808,1 milhões de euros, alta de 48,9%. Todavia, esse setor acabou impactado pela suspensão das atividades esportivas por alguns meses devido ao agravamento da pandemia.

Alta na receita bruta

Em termos de receita bruta dos operadores portugueses, descontando os valores repassados em prêmios ao total das apostas, o crescimento foi de 41,4% (336,3 milhões de euros). Enquanto o mercado online de jogos de fortuna teve receitas de 174,5 milhões de euros, subindo 44,2%.

O fato é que a interrupção das modalidades tradicionais na primeira onda causou um forte impacto nas casas de apostas esportivas. Apesar disso, o setor ainda conseguiu apresentar crescimento de 38,6%.

Se o desempenho das apostas online foi positivo no ano passado, a situação do jogo terrestre (bingo e cassinos) foi totalmente contrária. As receitas caíram pela metade em relação a 2019, ficando em 159,7 milhões de euros.

Governo conseguiu ampliar arrecadação com aumento das apostas online

O valor destinado para os cofres público devido ao imposto especial sobre o jogo online (IEJO) chegou a marca de 108,2 milhões de euros. Portanto, essa quantia apresentou um crescimento de 16% ou 15 milhões de euros em comparação com a arrecadação do governo de Portugal em 2019.