GambleAware-Detecta-28-Milhões-Sem-Acesso-a-Bloqueadores-de-Cartões

Um novo estudo da GambleAware sobre a disponibilidade de bloqueadores de jogos de cartões bancários revelou que cerca de 28 milhões de pessoas não têm acesso à medida para tornar a experiência de jogo seguro.

Ainda assim, o relatório confirmou que os bloqueadores de cartões bancários, que podem ser usados ​​para impedir que uma pessoa faça depósitos para atividades de jogo, são uma ferramenta eficaz para combater o vício no segmento. Essa percepção é verdadeira quando os bloqueadores são usados ​​com outras ferramentas de proteção, como as auto-exclusões.

Apesar disso, a instituição de jogos de azar descobriu que essa utilidade foi minimizada pela falta de disponibilidade de bloqueadores para uma parcela significativa de jogadores.

A Pesquisa do Personal Finance Center da Universidade de Bristol descobriu que oito empresas de serviços financeiros atualmente oferecem bloqueadores de determinados produtos, cobrindo um total de 60% do total de contas correntes pessoais no Reino Unido.

Desses oito bloqueadores de bancos, os pesquisadores descobriram que três poderiam ser imediatamente ligados e desligados. Por isso, a pesquisa concluiu que era necessário umarestrição da liberação de tempo para aumentar a eficácia desses mecanismos para o jogo seguro.

Além disso, os pesquisadores estimaram que aproximadamente 500 mil clientes em todos os bancos que oferecem bloqueadores estão utilizando esses produtos nos dias de hoje no Reino Unido.

Portanto, a GambleAware sugeriu uma série de alterações para maximizar o potencial desses bloqueadores. A instituição pediu à Autoridade de Conduta Financeira que recomende que a tecnologia seja padronizada para todos os cartões de débito e crédito. Bem como que introduza uma campanha de conscientização para aumentar o conhecimento do consumidor sobre o assunto.

Saiba mais sobre a GambleAware

A GambleAware é um órgão totalmente independente e tem um acordo com a Comissão de Jogos de Azar do Reino Unido para entregar a Estratégia Nacional visando reduzir os danos do jogo a partir de acordos com doações voluntárias de empresas desse segmento.