Advogados Processam EA por Não Rotular Ultimate Team como Jogo

Dois advogados em Paris entraram com ações contra a empresa Electronic Arts em relação à sua popular série de videogames da FIFA, argumentando que seu modo Ultimate Team (FUT) deve ser rotulado como uma forma de jogo.

Karim Morand-Lahouazi e Victor Zagury estão discutindo em nome dos jogadores que acreditam estar em risco de se viciarem em jogos. Eles estão representando um cliente que supostamente gastou “600 euros (2500 mil reais na cotação atual) em cinco meses sem conseguir um grande jogador”.

Na dinâmica do Ultimate Team, os jogadores ganham e compram baralhos de cartas que apresentam as grandes estrelas do futebol atuais e passadas e os conectam à sua lista ou os vendem em um mercado de transferências no estilo de leilão.

Os advogados disseram que “comprar pacotes não passa de uma aposta. É a lógica de um cassino que entrou em suas casas. ”Os dois trouxeram regulamentos em países como Holanda e Bélgica, onde caixas de saque só podem ser abertas se obtidas com o jogo e não podem ser compradas”.

Saiba mais sobre o Ultimate Team produzido pela Electronic Arts

O jogo permite que o usuário possa controlar inteiramente a montagem do seu elenco através de cartas de jogadores do passado e presente. Sendo assim, o jogador te, mais domínio sobre a montagem do seu elenco com as Escolhas de Jogador. Esse novo item do FUT permite que se escolha um jogador dentro de uma seleção de até cinco itens de jogadores diferentes para adicionar ao seu elenco.

Com um fluxo de itens totalmente refeito, o jogador pode gerenciar seus novos itens de forma mais rápida. Assim se pode passar mais tempo montando seu elenco. Itens de pacotes recém-abertos são enviados diretamente para o seu clube, com uma interface mais simples para o usuário que ajuda a decidir o que manter, vender ou colocar na lista de transferências.