Facebook Lançará Criptomoeda Libra Digital em 2020

O Facebook planeja lançar sua criptomoeda Libra Digital em 2020. Um executivo da corporação disse que a empresa segue adiante, apesar das autoridades de todo o mundo procurarem colocar obstáculos nos planos do gigante social.

Desde que o Facebook divulgou seus planos em junho, a proposta de criptomoeda encontrou um ceticismo regulatório e político, com França e Alemanha comprometendo-se a impedir que Libra operasse na Europa.

“O objetivo ainda é lançar o Libra no próximo ano. Até lá, precisaremos responder a todas as perguntas adequadamente, criar um ambiente regulatório adequado ”, afirmou David Marcus, do Facebook.

Conheça a criptomoeda do Facebook

A Libra será apoiada por uma reserva de ativos do mundo real, incluindo depósitos bancários e títulos do governo de curto prazo e supervisionada por uma organização de 28 membros.

Marcus disse que é improvável que as moedas de Libra se tornem um meio de pagamento para transações regulares do mundo real em países como Suíça, Alemanha ou França, mas preferem ser usadas para pagamentos internacionais ou para liquidar quantias pequenas.

“Em qualquer caso, é improvável que as pessoas paguem um café expresso na Suíça, Alemanha ou França com Libra no futuro”, disse o representante do Facebook.

Facebook

Facebook é uma mídia social e rede social virtual lançada em 4 de fevereiro de 2004, operado e de propriedade privada da Facebook Inc. Em 4 de outubro de 2012, atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos, sendo por isso a maior rede social virtual em todo o mundo. Em 27 de junho de 2016, o Facebook atingiu a marca de 2 bilhões de usuários ativos.

A rede foi fundada por Mark Zuckerberg e por seus colegas de quarto da faculdade Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes. A criação do site foi inicialmente limitada pelos fundadores aos estudantes da Universidade Harvard, mas foi expandida gradativamente.

No dia 19 de fevereiro de 2014 a empresa anunciou que comprou o aplicativo WhatsApp por 16 bilhões de dólares. O valor é o mais alto já pago por um aplicativo móvel, desde que a própria rede social comprou o Instagram.