Para Witoldo Hendrich, eventos como BiS ajudam a ‘educar o público em relação às apostas’

Já entramos em contagem regressiva para a primeira edição do Brazilian iGaming Summit (BIS) – The iGaming Intelligence Made in Brazil. O único evento nacional voltado aos segmentos de iGaming, apostas esportivas e loterias ocorrerá nos dias 1 e 2 de dezembro, visando atender a demanda da própria indústria em se reunir presencialmente ainda em 2021.

O palco para esse encontro, com marcas nacionais e internacionais, será o Espaço Boulevard JK, Edifício International Plaza, situado no centro comercial de São Paulo. O BiS 2021 contará com a participação de operadores, políticos, lideranças, fornecedores e especialistas que debaterão todas as tendências de consolidação e crescimento do setor no Brasil, que já é apontado pela indústria como um dos mercados mais promissores do planeta.

Com uma agenda já definida com painéis, palestras e a primeira premiação do setor de iGaming no país, o Brazilian iGaming Summit também receberá Witoldo Hendrich Jr, sócio da Online IPS e da Hendrich Advogados, que relata o que espera dos dois dias de evento.

“Esses eventos todos de gambling no Brasil são de grande importância para educar o público brasileiro em relação às apostas. Por mais que estejamos, nós, bastante ambientados e habituados com o tema, eu vejo em qualquer mesa de bar que o tema não é de domínio do grande público”, disse.

E continuou: “Com os patrocínios dos grandes clubes por empresas de aposta, a atividade e sobretudo os nomes já são familiares ao brasileiro, mas o que acontece por trás, as ferramentas de controle, compliance e proteção são absolutamente desconhecidas. Esses eventos tendem a minimizar isso”.

Desafios durante a pandemia de COVID-19

O BiS será o único e mais relevante evento de apostas no país desde o primeiro trimestre do ano passado. Por isso, Witoldo comemorou a possibilidade de reativar contatos. “Muito bom, né? Estive em alguns eventos fora, reencontrei amigos e parceiros. No Brasil vai ser muito legal também”.

Ele também detalhou como se adaptou para seguir atuando nesse período desafiador. “Em termos de trabalho, a pandemia não nos atrapalhou muito. Meu escritório de advocacia já é 100% virtual desde 2003. Gastei uma fortuna em scanners e HDs naquela época (risos). Na Online IPS o trabalho é naturalmente remoto. Temos equipes no Rio, Miami, Los Angeles e San Diego, além dos clientes espalhados mundo afora. Então, adaptar foi muito natural, sem stress”.

Em compensação, as convenções físicas foram duramente impactadas. “O que ficou muito prejudicado foram os encontros físicos, não só para nós, mas para o mundo todo. Então, a expectativa desse reencontro é das melhores. Estamos ansiosos aqui no escritório para chegar logo o BiS”.

Evolução do processo regulatório das apostas no Brasil

Witoldo Hendrich Jr. está acompanhando as tratativas para regulamentação do mercado brasileiro de apostas há muito tempo. “Em 2016, eu fui orador lá no Plenário da Câmara dos Deputados, quando tínhamos a promessa de que seria votado o PL 442 naquele dia, que, se eu não estiver enganado, foi dia 16 de dezembro. De lá pra cá, tivemos muito falatório mas poucos movimentos concretos. Os movimentos concretos que tivemos foram mal organizados”.

E complementou: “A Lotex não deu certo e a lei das apostas esportivas é praticamente inexequível sob o ponto de vista operacional. Esse processo truncado facilita muito a vida dos vendedores de sonhos, né? Não faz meu estilo. Já falei pra muita gente, muita gente mesmo, que o certo é esperar. Ainda não temos nada concreto, mas assim que tivermos, vamos dar o passo certo”.

Além disso, Witoldo salientou que esse avanço ‘titubeante’ é prejudicial. “De outro lado, havia uma ansiedade enorme por parte dos operadores para regular o jogo aqui. Ao longo desses anos, o que aconteceu é que todo mundo que estruturou o mínimo está ganhando dinheiro. Então, por que mudar, né?  O caminhar titubeante do país na direção da regulamentação prejudica a arrecadação, o controle e o consumidor. Fico um pouco triste”.  

Por isso, ele acredita que eventos como o BiS podem colaborar para desmitificar esse mercado para população brasileira. “Eu falo isso tem tempo. Quando a população entende e acredita em alguma coisa, ela pressiona o vereador, o deputado estadual, o prefeito. Aquele círculo interno de relacionamento público. Esses, pressionam os governadores, deputados federais e senadores. Penso que a tendência é a coisa andar”, pontuou.

Witoldo Hendrich Jr. ainda reforçou que essas iniciativas ajudam a criar pressão em quem pode tomar as decisões. “Eu gosto dos patrocínios de clubes porque eles criam uma pressão dos presidentes de clubes nos legisladores: ‘poderia ser melhor e mais amplo se fosse regulamentado’. E ninguém pode negar que a pressão dos clubes sobre os legisladores é enorme. Quem quer ficar mal com os torcedores da sua base eleitora? Ninguém, né? O BiS serve pra isso. Ajuda a criar essa pressão de baixo para cima. Acho importantíssimo! E desejo boa sorte aos organizadores. Será um sucesso”, concluiu.

Lembrando que a agenda completa de palestrantes, inscrições e outras informações podem ser encontradas no site oficial do evento: www.BrazilianiGamingSummit.com