Las Vegas Sands Registra Grandes Perdas no Segundo Trimestre

A Las Vegas Sands Corp, empresa controladora da Sands China, perdeu um total de US$ 985 milhões durante o segundo trimestre, com receita líquida de US$ 98 milhões. Uma queda de 97% em relação aos US$ 3,33 bilhões do ano anterior.

A Sands China enfrenta um declínio de 98% na receita líquida, gerando apenas US$ 47 milhões, enquanto em 2019 houve receita de US$ 2,15 bilhões. O Venetian Macau ganhou US$ 28 milhões, em comparação com US$ 854 milhões no segundo trimestre de 2019.

O Plaza e o Four Seasons caíram de US$ 211 milhões do ano passado para US$ 23 milhões. O faturamento do Marina Bay Sands, propriedade do grupo em Cingapura, caiu quase 97%, contabilizando US$ 23 milhões em comparação com US$ 688 milhões no segundo trimestre de 2019.

Pessimismo com a situação de Las Vegas

O presidente e diretor de operações da Las Vegas Sands Corp, Rob Goldstein disse que operar um grande resort na Strip é, por enquanto, inútil. “Sem o hotel estar cheio, sem as taxas de banquete, é muito difícil para o nosso modelo funcionar (em Las Vegas)”, pontuou.

“Presumo que isso seja verdade em todo o mercado. Se você está administrando um edifício de grande escala, não está conseguindo lucrar com os jogos, por melhor que seja. Você não está conseguindo uma ocupação de 30 a 40%. Se você está ganhando dinheiro no fim de semana, está perdendo de volta no meio da semana”, comentou Goldstein.

Ele disse que o ‘remédio para os problemas da empresa em Las Vegas é simples: a volta dos clientes’. Como a preocupação com o coronavírus ainda é muito presente, é improvável que as viagens aéreas para Las Vegas tenham um aumento significativo a curto prazo.

“Não sei como consertar isso até conseguir os grupos se sintam à vontade para voltar. Isso é apenas um fato da vida. Continuamos esperançosos, mas Las Vegas em julho de 2020 está em uma situação muito difícil. Essa é a verdade do mercado hoje”, declarou o diretor.

Otimismo nos negócios a longo prazo

Apesar de todo o contexto, o presidente e CEO da Las Vegas Sands, Sheldon Adelson, reforçou o compromisso do grupo em ajudar as comunidades afetadas em Macau, Cingapura e Las Vegas.  

“O grupo continua otimista com o turismo renovado e as perspectivas para o futuro. Temos sorte de que nossa força financeira nos permita continuar executando nossos programas de investimentos anteriormente anunciados em Macau e Cingapura, buscando oportunidades de crescimento em novos mercados”, concluiu.