Documentário-Mostra-Noitada-de-Michael-Jordan-em-Cassino-antes-de-Jogo-Decisivo1

O último capítulo do documentário “The Last Dance” exibido no último domingo, nos canais ESPN, abordou os bastidores do incrível time do Chicago Bulls nos Playoffs da NBA de 1993.

Um dia antes da partida 2 das finais da Conferência Leste, o camisa 23 de Chicago foi a Atlantic City, (New Jersey) com seu pai, para jogar em em um cassino da região. A derrota dos Bulls no dia seguinte fez com que esse fato tomasse grandes proporções.

Jordan foi visto no cassino até as 2:30 da manhã com um jogo a ser disputado 18 horas depois no Madison Square Garden.

“Eu nunca aposto em jogos. Só aposto em mim mesmo, e isso foi no golfe”, disse Michael Jordan, fã do esporte.

“Eu gosto de jogar blackjack? Sim! É isso que jogo. Representantes da NBA me ligaram, e me fizeram perguntas e eu contei exatamente o que estava acontecendo.”

Jordan deixou claro durante o documentário que não era viciado em jogos de azar, mas que tinha “um problema de competição”.

A liga de basquete americana (NBA) investigou o atleta, mas foi determinado que ele não tinha apostado em jogos da temporada de basquete. O falecido ex-comissário da NBA, David Stern, fez um relato e disse que o jogo de Jordan não afetou seus ganhos gerais.

“Michael estava apostando em seu jogo de golfe – números maiores do que você ou eu poderíamos apostar se jogássemos golfe juntos”, disse Stern. “Mas, considerando seus ganhos e coisas do gênero, nunca chegou a níveis altos, crise, na minha opinião.”

Histórico de Michael Jordan com jogos de azar

Em 2005, o ex-jogador admitiu ao jornal americano New York Daily News, o vício, que algumas vezes fora classificado pelo próprio Jordan como estúpido, mas afirmou que nunca colocou sua carreira em risco.

“Já me meti em algumas situações em que não consegui saber parar de jogar” disse o jogador.

Em 1993, um empresário de San Diego afirmara que ganhara US$ 1,25 milhão depois de uma rodada de golfe contra Jordan. O astro, no entanto, afirma que não é um jogador compulsivo.

“Minha vontade de ganhar é imensa. Quando isso não acontece, fico decepcionado. Depois, olho para o espelho e digo como sou estúpido” completou.