stj
Imagem: AssCom Dourado

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido do jogador Igor Cariús para trancar a ação penal em que ele é acusado de participar de um esquema de manipulação de resultados.

A decisão, unânime, foi da Sexta Turma do tribunal.

A descoberta da participação de Cariús no esquema ocorreu durante a Operação Penalidade Máxima.

De acordo com o Ministério Público de Goiás, Igor Cariús recebeu dinheiro para tomar um cartão amarelo de propósito durante um jogo do Campeonato Brasileiro de 2022, quando ele jogava pelo Cuiabá.

Relator do STJ diz que cartões amarelos podem influenciar na classificação

A defesa de Cariús argumentou que sua conduta não configurou crime, pois não alterou o resultado final da partida. O Tribunal de Justiça de Goiás já havia negado o pedido de trancamento da ação.

O relator do caso no STJ, ministro Sebastião Reis Junior, destacou em sua decisão que a quantidade de cartões recebidos por um jogador pode ser um critério de desempate ao fim de uma competição.

Ou seja, em um campeonato como o Brasileirão isso pode influenciar em quem será campeão, rebaixado ou quem irá para a Libertadores. 

Portanto, a decisão não se baseou apenas para o resultado de um jogo separadamente, pois isso pode ter repercussão na última rodada. Isso faz sentido, já que a competição é disputada por pontos corridos.

Na esfera desportiva, aplicaram a punição a Cariús, com uma suspensão de 360 dias e multa de R$ 40 mil. Em janeiro deste ano, ele conseguiu converter parte da suspensão em multa.

Felipe Bevilacqua, presidente em exercício do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), tomou a decisão. No entanto, ao retornar ao STJD, o presidente José Perdiz suspendeu essa decisão de Bevilacqua.

Assim, a decisão do STJ mantém a ação penal contra Igor Cariús em andamento. Isso mostra a preocupação das autoridades em coibir práticas que possam comprometer a integridade das competições esportivas.