Time de beisebol da Coreia do Sul pede suspensão de atletas após envolvimento irregular com apostas

O clube de beisebol da Coreia do Sul, o Doosan Bears pediu ao comitê organizador da liga para suspender dois jogadores da competição secundária, o arremessador Jeong Hyun-wook e o receptor Kwon Ki-young, por envolvimento irregular com apostas.

Isso porque Jeong comprou bilhetes da loteria Sports Toto e Kwon apostou em um site de apostas ilegais. Lembrando que Sports Toto é a única aposta em esportes permitida na Coreia do Sul.

Mas, os jogadores da Organização de Beisebol da Coreia (KBO) não têm permissão para comprar bilhetes para apostas esportivas: “jogadores, treinadores e executivos e funcionários de organizações esportivas não devem comprar ou mediar e/ou participar de promoção esportiva”.

Qualquer outra forma de jogo também é proibida, com a KBO prometendo cooperar com eventual investigação promovida pelas autoridades locais.

O clube de beisebol disse: “No processo de entrevista com Jeong Hyun-wook, que recentemente teve um problema de dívida pessoal, ele confirmou que jogava na modalidade Toto, o que é proibido aos atletas”.

O comunicado prossegue: “Kwon Ki-young também acessou sites especulativos inadequados e relatou a atividade durante a realização de um processo de investigação com toda a equipe. Ele contou tudo ao KBO Clean Baseball Center”.

Regulamento da liga estipula punição, multa e até serviço comunitário para violações envolvendo apostas ilegais

Se a KBO decidir suspender os jogadores, eles não poderão jogar profissionalmente até cumprir integralmente a punição. Com base nas regras da liga nacional, infratores pela primeira vez podem ser suspensos por uma quantidade mínima de 50 jogos.

Eles ainda poder ser obrigados a prestar cerca de 120 horas de serviço comunitário e pagar uma multa de aproximadamente 4500 dólares.

No entanto, uma segunda violação das regras da entidade esportiva sul-coreana aumentará a multa e o número de jogos de punição. Além disso, os jogadores tendem a ser banidos para sempre em um eventual terceiro caso de descumprimento das normas da competição.