Rafael Plastina 'Vai Entrar um Dinheiro Poderoso no Esporte Brasileiro quando a Regulamentação Sair'
Foto: Twitter Rafael Plastina

A forma de o brasileiro assistir ao jogo do seu time ou de sua modalidade favorito está mudando. Isso porque a televisão já não é mais o único meio de acesso disponível no mercado nacional. Além do consumidor, Rafael Plastina declarou que o esporte nacional também deve ser beneficiado com essas novas ferramentas de transmissão.

Em entrevista publicada no site Mercado e Consumo no dia 23 de novembro, Rafael Plastina salientou que as plataformas de streaming chegaram com a possibilidade de oferecer repercussão para ligas e eventos que eram descartados por canais de televisão aberta e fechada. Confira os detalhes a seguir:

Canais de streaming prometem revolucionar a transmissão esportiva

Os canais de streaming já mudaram a forma de assistir a filmes e séries. Agora, a mesma revolução promete acontecer no mercado esportivo. Novos serviços de assinatura estão surgindo para a transmissão de partidas esportivas, divulgando até mesmo esportes menos populares.

“O que está acontecendo no mercado e que eu acredito que pode ser uma revolução para esportes menores é a democratização da transmissão. Hoje, existem plataformas de streaming que dão visibilidade para essas ligas, que antes não eram visíveis em nenhuma TV por assinatura. Aquelas pessoas que gostam de esportes de nicho podem assinar uma plataforma para assistir seu esporte favorito”, afirmou Rafael Plastina, fundador da Sport Track.

De acordo com o executivo, outra movimentação que promete chacoalhar a indústria esportiva é a regulamentação das apostas esportivas. “Vai entrar um dinheiro poderoso no esporte brasileiro quando a regulamentação sair. Claro que a maioria desse dinheiro vai estar concentrada no futebol, mas vai sobrar para outros esportes também. E é importante para estas empresas de aposta que essas modalidades menores tenham transmissão, para que o apostador veja e aposte”, explicou Plastina. Assim, a possível liberação das apostas irá incentivar a criação de plataformas de streaming para transmissão de esportes de nicho.

As categorias esportivas menos populares também devem se beneficiar da digitalização. O fundador da Sport Track acredita que a grande tendência do marketing e da comunicação esportiva é a criação de conteúdo digital exclusivo pelos patrocinadores, em parceria com os clubes e ligas. Esta geração de conteúdo traz a vantagem da mensuração de resultados, sendo um bom caminho para os esportes menos populares.

“Esse conteúdo teria que ter foco em duas coisas: experiência do fã e promoção. Porque cada vez mais, as marcas vão precisar mensurar os resultados de suas ações, dada a pulverização e a dificuldade que existe de verificar de onde vem o resultado final de cada ação”, esclareceu Plastina. Ele defende que essas ações voltadas para o digital podem trazer aprendizados para as empresas, pois geram “conteúdo para o planejamento dos próximos anos. A marca vai entender onde acertou, onde errou e vai poder evoluir ao longo dos anos nas parcerias”.

A transformação da transmissão esportiva com a chegada dos canais de streaming será o tema do painel “Streaming. Conheça esse mercado e seus impactos no esporte”, que será realizado em 5 de dezembro, durante o Summit Sportlab. A apresentação contará com a mediação do Rafael Plastina, além das presenças já confirmadas de Sergio Floris, vice-presidente de Direitos, Parcerias e Conteúdo Original do DAZN; Edgar Diniz, cofundador da Live Mode; e Thiago Nicacio, advogado da Demarest.

O evento será realizado no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, e contará com a presença dos principais líderes e executivos do esporte brasileiro para colocar em pauta os novos caminhos para a gestão e governança do esporte brasileiro. O encontro é realizado pela Sportlab em parceria com a associação SOU DO ESPORTE.